quinta-feira, 5 de agosto de 2010

O VERÃO E AS FÉRIAS ESTÃO AÍ


Jesus diz a Marta que ela anda inquieta e perturbada, mas não lhe diz que ela trabalha de mais. No fundo, Jesus pergunta a Marta: Porque tens uma vida agitada? (Lc 10,38-42). Marta não tem uma unidade de vida, anda dispersa, demasiado preocupada. Marta está, talvez, preocupada porque tem medo de perder o prestígio, o seu êxito... É o MEDO DE PERDER a sua boa imagem... O ideal está em Maria, na sua UNIDADE DE VIDA, na sua concentração no essencial da vida.

O stress é uma vertigem louca do mundo que desgasta e coloca a pessoa em grande e contínua agitação exterior e interior, porque o stress não vem só do muito a fazer, mas também da inquietação e perturbação interior, da falta de paz, de harmonia e de unidade cá dentro do nosso coração frágil. O não viver concentrado (com unidade) no que fazemos, pode ser causa de mais stress do que a própria quantidade de trabalho em si.

Por vezes sentimos, vivemos ou gostaríamos de viver numa pressa interior e exterior, que não é possível, que não é saudável e que não ajuda a ter uma vida de qualidade e com verdadeiro sentido. O nosso ritmo interior pode não corresponder ou não estar em sintonia com o nosso ritmo exterior ou vice-versa, e isso pode trazer-nos, em certas situações, alguma angústia, dispersão ou divisão. Essa pressa interior ou exterior, quase sempre, para não dizer sempre, vai em direcção oposta ao viver o presente de Deus e a presença de Deus, na nossa vida quotidiana.

É necessário fazer um esforço em procurar a unidade de vida entre as nossas inquietações e desafios da vida, sendo contemplativos na acção caminhando com Jesus. A unidade de vida de cada um de nós passa muito por este encontro e diálogo de vida com Jesus, mesmo durante as férias.

Ele quer ir comigo para férias, quer passear comigo, caminhar ao meu lado para podermos dialogar com mais calma e com mais tempo. Jesus quer interrogar-me e conhecer-me melhor, para me poder ajudar mais e mais. E quer também dar-se a conhecer, para me contagiar com a Sua generosidade, gratuidade, olhar positivo e cheio de esperança sobre o mundo…

Não deixemos Jesus sozinho e “fechado em nossa casa ou no sacrário”, mas levemo-Lo, no íntimo do nosso ser, para onde formos de Férias. Ele é um bom companheiro de viagem e um bom guia, embora “não tenha nenhuma agência de viagens”! É Ele quem nos diz: “Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei”. (Mt 11,28). Então, o que esperamos? Reservemos uma viagem e um quarto para Ele ou, porque não, partilhemos o nosso quarto com Ele!

BOAS FÉRIAS COM ELE!
P. Hermínio Vitorino, s.j.

Um comentário:

Anônimo disse...

Gostei de ler!
D.T.