domingo, 27 de maio de 2012

Solenidade de Pentecostes



Cheios do Espirito

A atual Catedral de S. Paulo de Londres ergue-se sobre o sítio da antiga catedral que ficou destruída no grande incendio de 1666, A nova foi desenhada por Christopher Wern, e foram precisos 35 anos para a terminar.
Conta-se que, ao começar a construção da nova cátedra, Wern pegou numa pedra das ruinas da velha catedral, e ficou surpreendido ao ler a inscrição que tinha: Voltarei a renascer.
Jesus ressuscitou de entre os mortos. Os testemunhos de Jesus Ressuscitado manifestaram a sua convicção firme de que “estava vivo”. Uma vez mais, Jesus Ressuscitado partilhou os segredos do Reino de Deus com os seus companheiros mais próximos. Confiou-lhes a missão de levar a Boa Nova a todos os povos. Prometeu-lhes um advogado, o Espirito Santo. Depois subiu ao Céu.
Os últimos momentos da permanência terrena de Jesus estão muito bem descritos em “actos 1, 3-12”. “ Elevou-se aos Céus na sua presença”. Os seus discípulos assistiram ao final da sua companhia física com Jesus. A nuvem, que simboliza a presença de Deus, envolveu-o. Foi, sem dúvida, ema separação dolorosa. Os apóstolos não deixam de olhar para o Céu. Mas são tirados do seu espanto e enfrentam a realidade. É-lhes indicado que regressem a Jerusalém para rezar e aguardar a Vinda do Espirito Santo.
Quem é o Espirito de Jesus? Talvez devêssemos pergunta-nos? O que é o Espirito de Jesus? O que é o espirito de uma pessoa? Compreende a profundidade e a riqueza da sua vida. Engloba a visão da qual brota a sua mensagem e ensinamentos, o poder da sua obra e da sua luta, as suas atitudes perante a natureza, o mundo e as pessoas. Mas é muito mais: algo que é impossível de definir. É a atmosfera que respiramos quando estamos na presença de Jesus, a paz e o sossego que irradia no meio das tensões, a alegria que inspira e a atração que espontaneamente leva as pessoas até Ele.
E contudo este Espirito é muito mais real que as palavras e obras que as pessoas sentiam.
Pede ainda a graça de sentir dentro de ti, o poder do Espirito que inflama o coração com o seu amor, um amor que te encaminha a difundir a Boa Nova.

“Em casa com Dios”
                                                                                                                        Hedwig Lewis,s.j 

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Exposição


COROA DE Nª Sª  e  CUSTÓDIA
da Igreja de São João de Malta


Toda a gente tem agora a oportunidade de admirar de perto a belíssima COROA de Nª Sª de FÁTIMA e a valiosa CUSTÓDIA feita na mesma altura (1947), com as ofertas das pessoas da Covilhã.
Estas duas excelentes obras de arte, encontram-se em exposição temporária no Museu de Arte Sacra (ao Jardim Público)
até ao fim do mês de Maio


segunda-feira, 14 de maio de 2012

A Virgem Maria na nossa cidade
Covilhã, 12 de Maio de 2012




Acabamos de percorrer as ruas da nossa cidade, na companhia da Virgem Maria, que peregrinou connosco e que, agora, se encontra aqui, bem juntinho de nós. Olhamos para Ela, para o seu rosto de brancura imaculada, para os cravos brancos que simbolizam essa brancura e que tão generosamente, lhe oferecemos. Tivemos ocasião de louvar o Senhor, porque Ele, em Maria, operou maravilhas: Ela é a Mãe de Deus e nossa Mãe; Ela é a Virgem Maria, a cheia de graça, que deu à luz Jesus por obra e graça do Espírito Santo. Cantamos Maria, a humilde serva do Senhor, uma criatura como nós, a agraciada de Deus e chamamos-lhe a Senhora do SIM que tornou possível a nossa salvação em seu Filho Jesus Cristo, salvação essa, ainda há dias celebrada na sua Páscoa que é também a nossa Páscoa, a passagem de Jesus para junto do Pai e bem como a nossa passagem, por Ele, com Ele e n’Ele para o abraço de Deus Pai e do Espírito Santo… Quantas vezes, nesta noite, no passo lento desta procissão em honra de Maria, brotou dos nossos lábios e do fundo do nosso coração a saudação espontânea do Anjo da Anunciação: “Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco...”
Nesta peregrinação pelas ruas da nossa cidade, num passo lento e silencioso, do íntimo do nosso coração, fomos desfiando diante da Senhora, a história das nossas vidas: as nossas alegrias pelas graças recebidas por seu intermédio, mas também as nossas tristezas, aquilo que mais nos aflige neste momento: a doença dum filho ou filha, as nossas próprias doenças, dores e sofrimentos, os nossos fracassos, as nossas limitações, a nossa falta de emprego para deitar mão às necessidades da família e, certamente, não deixamos de lhe dirigir esta prece: “Senhora, consoladora dos aflitos, rogai por nós… “
Nesta nossa peregrinação, unimo-nos, hoje, de modo especial, a todos aqueles e aquelas que se deslocaram a Fátima e que, na tarde do dia de amanhã, se dirigirão para suas casas consolados por terem estado com Maria, por lhe terem dirigido as suas preces e ansiosos por corresponderem ao seu desejo principal: conhecer sempre mais e melhor o seu Filho Jesus para melhor o amarem e servirem. E nós, juntamo-nos a eles, com o mesmo desejo, no regresso, em breve, a nossas casas. Para isso, Maria nos visitou em Fátima, em Lourdes e em tantos outros povos da terra, como missionária do Senhor, unida à Missão de seu Filho, Jesus Cristo, o enviado especial de Deus Pai. Senhora missionária, faz-nos missionários do teu Filho…
Como não compreender a afeição, ternura e carinho que lhe tributaram e tributam tantos milhões de crentes, porque n’Ela encontraram a Mãe que protege contra as insídias do inimigo, contra as seduções do mal, porque Ela é guia que nos leva a Cristo, caminho, verdade e vida, porque Ela apazigua, ajuda-nos e viver em paz connosco próprios, paz nas nossas famílias, paz na sociedade, paz num mundo em guerra: “Senhora da paz, dai-nos a paz…”
Em 431, no Concílio de Éfeso, a Igreja afirmou contra as heresias, que Jesus é o Filho de Deus e proclamou igualmente Maria a Mãe de Deus. Esta afirmação sobre Maria, a Mãe de Deus, em grego, a Theotókos, que significa a “portadora de Deus”, foi acolhida por uma multidão em festa, batendo palmas e louvando Maria com inúmeras luzes acesas para comemorarem esta definição dogmática. Desde então, todos vamos a Maria e este encontro com Ela, hoje, nesta noite, tem uma grande expressão, na nossa cidade da Covilhã. Reunimo-nos, aqui todos os anos, porque queremos aclamar, publicamente, Maria, a Mãe de Deus. Quando, porém, dizemos que Maria é a Mãe de Deus, não queremos dizer que Maria deu à luz a Divindade, mas sim que Ela deu à luz Aquele que vem de Deus e que era, desde o princípio, junto de Deus: “no princípio era o Verbo e o Verbo era Deus” (João, 1,1). Compreendendo Jesus, compreenderemos também, a vocação de Maria, a Mãe de Deus: “Maria Mãe de Deus, rogai por nós…”
 Figura discreta e silenciosa do Evangelho, Maria é sempre aquela que conduz a Jesus, nos ensina a rezar, a entrar pouco a pouco na intimidade e a amar. É o fruto que lhe pedimos esta noite, de velas acesas nas mãos, para exprimirmos a luz de que todos necessitamos, a Luz do Seu Filho Jesus Cristo que ilumina os nossos corações e a terra inteira.
Maria esteve nos começos do nascimento da Igreja no momento em que os Apóstolos estavam reunidos no Cenáculo (Act. 1, 13), aguardando a vinda do Espírito Santo. Por isso, “a Igreja honra-a como Mãe amantíssima, dedicando-lhe afecto e piedade filial” (L.G. 53). O Concílio Vaticano II consagrou esta afirmação sobre Maria. Ela é e Mãe de todos nós e da Igreja. Sob a sua protecção, colocamos as comunidades cristãs da nossa Diocese da Guarda e, mesmo que venhamos a ser “pequeno rebanho”, caminhemos, sem medo, porque Maria vai connosco a incutir-nos fé e confiança: “Maria, Mãe amantíssima, rogai por nós…”
Padre José Augusto de Sousa, s.j.


Foto José Pereira

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Procissão a Maria nossa mãe



No dia 12, Sábado: teremos a habitual Procissão nocturna de Nª Sª de Fátima, com o ponto de partida e de chegada na Igreja de S. João de Malta. Sai às 21 horas.  

No dia 13 de Maio, por ser Domingo, não haverá Missa às 21h00, na Igreja de S. João de Malta. Mas teremos Terço e Bênção do Santíssimo a essa hora. Além disso, durante a tarde do mesmo dia 13, a Igreja de S. João de Malta estará aberta para as pessoas que queiram aí rezar.

Na Igreja de São João de Malta tem-se vindo a realizar o “Mês de Maria” às horas habituais: às 19h00 nos dias de semana e às 16h00, nos Sábados.

domingo, 6 de maio de 2012

V Domingo da Páscoa - a poda




O Pai poda-nos, é o que Tu dizes.
Poda os que dão fruto, para que dêem mais.
Podam-nos os amigos, o grupo, a comunidade,
através das relações claras e fraternas;
através da ajuda, da crítica e da experiência.
Podam-nos quando põem em crise
o nosso estilo de vida e a nossa escala de valores;
quando nos fazem enfrentar as incoerências
e as zonas escuras do nosso ser.
Alguns se podam a si mesmos para dar mais fruto.
Sabem dizer não a certas coisas.
A maioria das podas vêm sem serem procuradas.
É a vida que as traz quando menos o esperas;
são podas involuntárias, imprevistas,
às vezes duras e dolorosas,
e nem sempre as aceitamos como algo positivo.
Involuntária ou voluntária, a tempo ou a destempo,
assumida ou rejeitada,
a poda é o segredo das pessoas que se fizeram fortes,
dos homens e mulheres que dão fruto,
dos que têm vida.
Poda-nos, Senhor! Poda-me, Senhor!
Ulibarri, Fl.